Parceria: Clara Alves

25 de fev de 2017

Hoje é dia de divulgar mais uma parceria!!! O blog foi selecionado para ser parceiro da autora Clara Alves, autora do livro "Além da Amizade". Imagine só minha felicidade, quando vi o resultado da seleção. Então, decidi contar um pouquinho mais sobre a trajetória da autora e sobre seu livro...

Sobre a autora

Clara, 23 anos, estudante de jornalismo, libriana com ascendente em capricórnio (hoje em dia esse tipo de informação é muito importante hahaha) e escreve desde pequena. Começou a publicar na internet pelo Orkut, quando tinha 15 anos. “Além da amizade” foi seu primeiro livro e, de 2008 pra cá, ele sofreu um monte de modificação.

"Sempre quis publicar, mas nunca consegui retorno de editora. Até que, em 2015, eu decidi fazer isso por um site de impressão por demanda. A ideia foi péssima e o resultado ficou bem longe do que eu pretendia/esperava, mas o lado bom foi: me deu forças pra fazer as coisas diferentes. Quando voltei do meu intercâmbio, em 2016, eu tive uma certeza: de que eu ia me dedicar a escrever e fazer aquilo que eu realmente gostava. Por isso, tirei o livro da Amazon, contratei profissionais para revisão, diagramação e capa e paguei uma gráfica pra imprimir os exemplares. Foi aí que comecei essa nova fase da minha vida como autora."

Eu achei impressionante a história da Clara, ser autora independente não deve ser nada fácil e ela tem lutado muito! Além de ser super simpática

Sobre o livro

Em “Além da amizade”, Anna Schwartz é uma jovem de 15 anos que, apesar dos problemas com o pai, tem tudo o que uma adolescente poderia querer: um namorado atencioso, amigos incríveis e uma mãe amorosa – além de um irmão implicante que, no fundo, ela ama. Entretanto, quando descobre a traição do namorado, sua vida começa a seguir um rumo inesperado.

A decepção no relacionamento provoca uma reviravolta nos sentimentos de Anna. Confusa e carente, ela se vê atraída pelo melhor amigo, Natan. Mas, com medo de estragar uma amizade de dez anos, procura refúgio no sorriso bondoso de Gustavo, o garoto novo da escola. Para encontrar a passagem de volta para sua felicidade, Anna precisará descobrir como guiar sua vida para o caminho certo sem magoar ainda mais as pessoas ao seu redor – e sem perder a si mesma.

Essa é a novidade! Em breve, tem resenha do livro, que estou doida para ler! Aguardem

Aconteceu Naquele Verão - Doze Histórias de Amor

18 de fev de 2017

Aconteceu Naquele Verão - Doze Histórias de Amor
Stephanie Perkins
Editora Intrínseca, 2017
384 páginas

Doze histórias apaixonantes de doze grandes escritores, entre eles Cassandra Clare, Veronica Roth e Stephanie Perkins. Bem-vindos à estação mais ensolarada e apaixonante de todas! No verão, somos todos iguais, diz um dos personagens do conto “Mil maneiras de tudo isso dar errado”. No Brasil, nos Estados Unidos ou em qualquer lugar do globo, uma coisa é certa: no verão, nossos corações ficam mais leves, mais corajosos, impetuosos e confiantes — talvez por isso esta seja a estação perfeita para se apaixonar... e Aconteceu naquele verão é o livro ideal para quem adora histórias de amor. Mas essa coletânea tem algo ainda mais especial. Algumas histórias têm uma pitada de estranheza, de mistério, um toque sobrenatural. Em “Cabeça, escamas, língua, calda”, a lagoa de uma cidadezinha é morada de um monstro marinho que só uma menina vê. No intrigante “Inércia”, dois grandes amigos há muito afastados vão se encontrar num quarto de hospital para uma última visita. No belo “O mapa das pequenas coisas perfeitas” é sempre dia 4 de agosto. Presos num loop temporal, dois jovens vão comprovar do que a força do amor é capaz. A lição é simples: o amor não escolhe lugar nem hora para surgir. Coloque seus óculos escuros e abra sua cadeira de praia, porque neste verão você terá doze motivos para suspirar e se apaixonar.

Hoje trago uma resenha de um lançamento da Editora Intrínseca! O livro foi recebido na malinha do Turista Literário (clique aqui e configra o unboxing). O livro traz doze contos ambientados no universo jovem adulto, escritos por grandes escritores e organizado por Stephanie Perkins, queridinha de todos nós. Por conta disso fala com propriedade sobre os dilemas típicos da idade: trabalho de férias, drama escolar ou familiar, reencontros e despedidas, erros e recomeços, inseguranças, romances de verão e – meu preferido – amadurecimento. Todo jovem possui um verão que marcou e impactou seu coração, e é exatamente sobre isso que lemos nesses contos apaixonantes, bem-humorados e surpreendentemente reflexivos.

Cada conto, como dito anteriormente, foi escrito por um autor diferente: Leigh Bardugo, Nina Lacour, Libba Bray, Francesca Lia Block, Stephanie Perkins, Tim Federle, Veronica Roth, Jon Skovron, Brandy Colbert, Cassandra Clare, Jennifer E. Smith, e Lev Grossman. Alguns autores eu realmente não conhecia e foi interessante acompanhar a escrita deles! Entre esses contos temos tanto histórias de fantasia (circos itinerantes assombrados por demônios, dragões d’água, filmes amaldiçoados, e até mesmo uma sociedade futurista - que lembro muito Black Mirror), quanto narrativas contemporâneas baseadas exclusivamente na vida real. Mas, independente do conto ter ou não elementos fantásticos, todas trazem uma reflexão. Foi uma surpresa encontrar histórias que falam sobre sexualidade, aceitação, depressão, perdão e até mesmo sobre o autismo (um assunto que me toca muito).

Como são muuitos contos, irei comentar mais sobre os meus favoritos, que foram: "O último suspiro do Cinemorte" (por Libba Bray), "Inércia" (por Veronica Roth), "Mil Maneiras de Tudo isso dar Errado" (por Jennifer E. Smith) e "O Mapa das Pequenas Coisas Perfeitas" (por Lev Grossman).

O último suspiro do Cinemorte - Libba Bray

Esse foi um conto que me pegou de jeito, a começar pela escrita divertida da autora e por sua enorme criatividade. O conto se passa em um cinema especializado em filmes de terror que está prestes a fechar as portas. Para encerrar com chave de ouro, Ando sobre esta terra, uma produção amaldiçoada, é exibida, pondo em risco todos os espectadores, que temerão por suas vidas. No meio disso tudo, Kevin tenta criar coragem para declarar o seu amor para Dani. As coisas no cinema não saem como esperado e Kevin não poderia ter escolhido pior hora para se declarar.

Inércia - Veronica Roth

Veronica Roth tocou em um assunto que todos temos dificuldade em lidar: a morte. Matt sofreu um acidente de trânsito e está prestes a passar por uma cirurgia, porém, as estatísticas médicas preveem que ele não vai sobreviver. Sendo assim, mesmo desacordado, ele tem direito a uma Última Visita, e Claire é chamada para falar com ele. Fazia meses que eles não trocavam uma só palavra e já não eram mais melhores amigos, mas nesse encontro, promovido por uma tecnologia de ponta, finalmente poderão resolver as suas diferenças para que Matt descanse em paz.

"Eu não sabia por quê, mas aquelas palavras tão simples me comoveram do mesmo jeito que a música me comovia. Como se uma agulha tivesse sido enfiada em meu peito, perfurando o coração. Não tentei conter as lágrimas. Em vez de me afastar delas, de todo o sentimento, eu me deixei afundar. Deixei o sofrimento vir à tona." p. 206

Adorei a criatividade da autora, esse conto é bem Black Mirror. Por meio de medicação, os viajantes são postos para dormir e são transportados para um ambiente, em que as memórias se misturam à realidade, e onde é possível conversar com quem está em coma. Por mais emocionada que eu tenha ficado com essa história, o que mais gostei nela foi o tom de esperança trazido ao texto, pois independente do que está por vir, sempre podemos fazer o nosso melhor hoje.

Mil Maneiras de Tudo isso dar Errado - Jennifer E. Smith

Em Mil Maneiras de Tudo isso dar Errado, conhecemos Annie, uma garota que há tempos sofre de paixonite aguda por Griffin. Até então, ela nunca teve coragem de chamá-lo para sair, pois Griffin nunca deu muita bola a ela, nunca a olhou nos olhos e sempre vinha com uns papos muito cabeça. Mas no dia em que Annie o encontrou no supermercado, ela viu ali a chance de chamá-lo para um encontro que, quem diria, começaria de maneira desastrosa, com ambos tendo que aguardar a mãe do menino autista de quem Annie cuidava (Noah) no acampamento de férias onde ela trabalhava.

Achei maravilhosa a maneira sutil e simples com a qual a Jennifer E. Smith trabalhou o preconceito e a falta de conhecimento acerca do autismo. Como tenho dois priminhos autistas, este conto teve um apelo especial para mim. Achei tocante a preocupação que Annie tinha para com o bem-estar de Noah, e foi lindo de ver o desabrochar do relacionamento dele com Griffin. Para mim, este foi um dos contos mais meigos do exemplar e o final nos mostrou que para o amor não existe o preconceito. Uma história realmente inspiradora.

O mapa das pequenas coisas perfeitas - Lev Grossman

Esse é o último conto do livro, fechando com chave de ouro! Nesta história conhecemos Mark, um adolescente que está preso em um loop temporal em que todos os dias é 4 de agosto. Já faz semanas que ele acorda e realiza sempre as mesmas ações, come seu cereal matinal, joga videogame, vai para a biblioteca ler um livro e, às vezes, dá um pulo na piscina. De início pareceu algo maneiro de se fazer, até se tornar chato por não ter com quem dividir esta situação pirada. Até o dia em que ele encontra Margaret na piscina. Ela não deveria estar lá, e pelo visto ela também enfrentava a mesma situação que Mark.

"Você pode passar a sua vida inteira à espera de momentos perfeitos, mas às vezes é preciso fazê-los acontecer". p. 381
Sem saber o causador desse loop, muito menos como terminá-lo, os dois mais novos amigos começaram a ocupar o seu tempo de um jeito diferente, procurando momentos perfeitos para assistir e registrar, situações essas que, muitas vezes, ficam perdidas na correria do dia a dia e não são valorizadas devidamente. Em meio a inúmeras reflexões, ambos descobrirão que, algumas vezes, o tempo é capaz de parar para que possamos dar um respiro e aprender a dizer adeus.

Minhas Impressões

Uma coisa importante sobre esse livro é o seu equilíbrio. Em alguns contos temos elementos dolorosos e sombrios que fazem o leitor repensar seus valores e prioridades. Em contra partida, também temos contos mais leves, superficiais e que acabam com um clima de final feliz extremamente adocicado e contagiante – porque sim, clichês são ótimos quando bem escritos. Assim, temos uma obra que une muito bem diversão, amadurecimento e os infinitos recomeços que a juventude garante. Amei o livro do começo ao fim e, mesmo tendo achado alguns contos bem mais ou menos, o fato é que adorei a leitura e indico demais para os fãs de histórias jovens, bem-humoradas e muito tocantes.

Bom, espero que leiam! O livro possui tantas histórias extraordinárias que você tem muitos motivos para ler este livro! Corram lá antes que o verão acabe!

Harry Potter e a Criança Amaldiçoada - J. K. Rowling, Jack Thorne e John Tiffany

13 de fev de 2017

Harry Potter e a Criança Amaldiçoada
J. K. Rowling, Jack Thorne e John Tiffany
Editora Rocco, 2016
352 páginas

“Sempre foi difícil ser Harry Potter e não é mais fácil agora que ele é um sobrecarregado funcionário do Ministério da Magia, marido e pai de três crianças em idade escolar. Enquanto Harry lida com um passado que se recusa a ficar para trás, seu filho mais novo, Alvo, deve lutar com o peso de um legado de família que ele nunca quis. À medida que passado e presente se fundem de forma ameaçadora, ambos, pai e filho, aprendem uma incômoda verdade: às vezes as trevas vêm de lugares inesperados."



Como fã de Harry Potter, não posso negar que eu estava simplesmente louca para ler esse livro, mesmo sabendo que não é um romance e que não é uma obra da própria J. K. Rowling. É claro que tem uma essência dela na história, mas é importante frisar que foi apenas baseado em uma história da Rowling. Gente, eu não consigo explicar em palavras a felicidade que senti em reencontrar os meus personagens tão queridos e reviver a magia, deu aquela nostalgia gostosa, sabem? Então, vamos saber um pouquinho mais sobre o livro!

A trama se inicia no momento final de Harry Potter e as Relíquias da Morte, 19 anos após a épica Batalha de Hogwarts. E já na primeira cena temos o gostinho saudoso do mundo criado por J.K. Rowling, revisitando as personagens já mais velhas com seus respectivos filhos embarcando para a maior escola de magia e bruxaria de todos os tempos.

A história gira em torno de Alvo Potter, o filho mais novo do Harry, e o seu grande fardo por carregar o nome "Potter" nas costas. Alvo também tem um relacionamento muito conturbado com o pai, que se faz bastante ausente por causa do emprego. Chegara o momento de Alvo estudar em Hogwarts.

Temeroso pelo seu primeiro ano, as coisas saíram pior do que ele podia imaginar, já que, para começar, o Chapéu Seletor o mandou para a Sonserina, fazendo-o se sentir um traidor dos Potter. Além disso, ele em nada lembrava o pai, corajoso, heroico e bom em feitiços. Sendo assim, se tornou objeto de diversas piadas e comentários hostis, se isolando cada vez mais e guardando no peito um profundo rancor, tornando-se amigo de ninguém menos que Escórpio Malfoy.

A história começa a se desenrolar de verdade quando Alvo escuta uma conversa entre Harry e Amos Diggory em que eles conversam sobre a possibilidade de usar um Vira-Tempo para impedir a morte de Cedrico, e Alvo decide mudar o passado do jovem bruxo com a ajuda do seu amigo Escórpio. Não é difícil de imaginar que as coisas não saem muito bem como planejado, não é mesmo?

O que acontece, é que a cada tentativa, Alvo criava reverberações temporais que mudavam por completo o futuro, a ponto de Escórpio voltar para um mundo dominado por Voldemort, em que Harry estava morto e Alvo nunca tinha nascido...

Minhas Impressões

Lendo algumas resenhas de Harry Potter e a Criança Amaldiçoada pela internet eu percebi uma quase unanimidade nas opiniões: a maioria dos leitores reclamam que o livro não é um romance e sim uma peça, então é óbvio que não há um aprofundamento e muitos detalhes, e há sim muitos furos na história também. Mas, a própria J. K. Rowling alertou aos fãs que não esperassem um romance. E convenhamos que, para um roteiro, a história está muito bem escrita. Obviamente me irritei com algumas coisas (o que não garantiu as 5 estrelas), mas nada que mudasse a essência do livro.

Eu considero a história uma fanfic muito bem escrita, mas que não se encaixa perfeitamente com os outros livros entende? Além disso, li o livro em poucas horas, já que a história é bem rápida e, como eu disse antes, sem muitos detalhes e aprofundamentos, mas por ser um roteiro eu já esperava por isso, então não houve nenhuma decepção. O que eu senti, realmente, foi aquele quentinho no coração de quando a gente reencontra pessoas de que gostamos muito.

Tenho a reclamar do quanto o filho de Harry: Alvo é totalmente diferente do pai! A personagem conseguiu me tirar do sério. Por mais que ele não entenda Harry, tem muito do seu egocentrismo e teimosia. O menino está certo de que a sua vida é uma porcaria e não enxerga um palmo à frente. Não é à toa que terá de enfrentar diversas provações para que amadureça um pouco. Por outro lado, Escórpio é totalmente diferente de Malfoy e muito adorável!

Harry Potter e a Criança Amaldiçoada fala muito sobre a difícil relação entre pais e filhos, os erros cometidos devido à super-proteção. Todos nos sentimos culpados por algo que fizemos no passado, mas lamentar ou tentar corrigir com mais equívocos não é a solução, e é isso que os autores nos ensinam nesse exemplar.

Resumindo, o livro é um prato cheio para os fãs do mundo criado por J. K e, em minha humilde opinião, extremamente satisfatório, além de cumprir com o seu propósito: matar um pouco da saudade que temos de toda a magia. A única dica que dou é não criar muitas expectativas baseadas na escrita da J. K. Rowling ou então realmente se decepcionarão. Pensem que é uma história que foi criada para nos deixar um pouco menos órfãos de Harry Potter.

 
Todos os direitos reservados © - Tecnologia do Blogger Layout e desenvolvimento por Carla Vieira · Ilustração por Laura Melo