A verdade sobre o caso Harry Quebert - Joël Dicker

30 de abr de 2017

A verdade sobre o caso Harry Quebert
Joël Dicker
Intrinseca, 2014
576 páginas

Aos vinte e oito anos Marcus Goldman viu sua vida se transformar radicalmente. Seu primeiro livro tornou-se um best-seller, ele virou uma celebridade e assinou um contrato milionário para um novo romance. E então foi acometido pela doença dos escritores. A poucos meses do prazo para a entrega do novo original, pressionado por seu editora e por seu agente, Marcus não consegue escrever nem uma linha. Na tentativa de superar seu bloqueio criativo, Marcus decide passar uns dias com seu mentor, Harry Quebert, um dos escritores mais respeitados do país. É então que tudo muda. O corpo de uma jovem de quinze anos - desaparecida sem deixar rastros em 1975 - é encontrado enterrado no jardim de Harry, junto com o original do romance que o consagrou. Harry admite ter tido um caso com a garota e ter escrito o livro para ela, mas alega inocência no caso do assassinato. Com o intuito de ajudar Harry, Marcus começa uma investigação por contra própria. Uma teia de segredos emerge, mas a verdade só virá à tona depois de uma longa e complexa jornada.

A última vez que li um livro que me deixou completamente sem chão foi Mentirosos, eu precisava desesperadamente conversar com alguém sobre o final e sobre o quão pega de surpresa eu tinha sido! Tive a mesma sensação após terminar "A verdade sobre o caso Harry Quebert". Eu diria que o livro é FANTÁSTICO. No entanto, a palavra fantástico não diz tudo sobre o romance do suíço Joël Dicker. A editora Intrínseca em vez de colocar duas páginas de elogios deveria ter colocado um aviso enorme sobre o fato do livro ser viciante e que você ganhará uma escoliose por causa disso. Sério, você irá carregar o o livro com mais de 500 páginas para tudo que é lugar porque não conseguirá abandonar a leitura.

A trama do livro é ambientada na pequena cidade de Aurora, nos Estados Unidos. Essa cidade foi extremamente abalada pelo desaparecimento (no verão de 1975) de uma garota de 15 anos, Nola Kellergan. O paradeiro da garota tornou-se um mistério até o ano de 2008, quando, por acaso, seus restos mortais são encontrados no jardim da casa de Harry Quebert, um famoso escritor de Nova York que décadas atrás decidiu adotar a cidade como lar.

O problema é que Harry Quebert, que na época do desaparecimento de Nola estava com 34 anos de idade, afirmou ter vivido um caso de amor com a garota. Apesar de ser detido como principal suspeito, Harry nega qualquer envolvimento no assassinato de Nola. Marcus Goldman, amigo e pupilo de Quebert, decide investigar o mistério e tentar inocentar o mestre. É através da investigação de Goldman que somos levados a um livro cheio de reviravoltas.

Infelizmente, não posso entrar em detalhes sobre as reviravoltas que tornam o enredo de A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert tão dinâmico, pois iria estragar sua experiência de leitura, mas não posso deixar de comentar a sagacidade de Dicker ao introduzir em cada início de capítulo uma “regra” que atua como dica de como escrever e que é parte essencial dos fatos que marcam a história. Somente as regras já são interessantes o bastante para merecerem um livro a parte, pois as dicas passadas por Quebert para Goldman equivalem a um curso intensivo sobre o processo de escrita.

“— O primeiro capítulo, Marcus, é essencial. Se os leitores não gostarem dele, não vão ler o resto do livro. Como pretende começar o seu?
— Não sei, Harry. Acha que um dia vou conseguir fazer isso?
— Isso o quê?
— Escrever um livro.
— Tenho certeza que sim.”

Melhor do que fantástico, a palavra que define esse livro é Intensidade. O romance é extremamente complexo e cheio de densidade que induzem a questionamentos sobre política, mercado editorial, fama, misoginia, loucura, amor, paixão e amizade. É impossível ler e não ser impactado pelas diversas nuances da história. É um engenhoso livro dentro do livro, com direito a fragmentos de outros romances.

O livro é narrado em primeira pessoa, mostrando o ponto de vista de Marcus, mas possui algumas passagens e alguns flashbacks que são narrados em terceira pessoa. O único ponto fraco do livro são os diálogos entre Harry e Nola, que acabam sendo maçantes e muito melosos e dignos de uma novela mexicana.

Os personagens são muito bem construídos e inseridos na trama. Dois deles deram um certo gás na narrativa: Elijah Stern e Luther Caleb. Apesar de ser narrado sobre o ponto de vista de Marcus e tendo como foco a pergunta "Quem matou Nola Kellergan?", a história não se prende somente a um personagem. Todos têm seu merecido destaque e contribuição para a solução do caso.

A trama é um quebra-cabeças repleto de reviravoltas. Não tente construir teorias sobre quem é o assassino de Nola, pois novos elementos são facilmente apresentados a todo instante, o que irá desestruturar qualquer pensamento que você tenha sobre o verdadeiro assassino.

Bom, espero que tenham gostado da resenha. A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert já entrou na lista de melhores livros lidos em 2017 e já garanti o meu exemplar de outro livro escrito pelo autor!

“Um bom livro, Marcus, não se mede somente pelas últimas palavras, e sim pelo efeito coletivo de todas as palavras que as precederam. Cerca de meio segundo após terminar o seu livro e ler a última palavra, o leitor deve se sentir invadido por uma sensação avassaladora. Por um instante fugaz, ele não deve pensar senão em tudo que acabou de ler, admirar a capa e sorrir, com uma ponta de tristeza pela saudade que sentirá de todos os personagens. Um bom livro, Marcus, é um livro que lamentamos ter terminado.”
8 comentários:
  1. Oie esse livro está na minha lista desde que foi lançado, mas não tinha aquela empolgação toda para ler, mas, depois da sua resenha fiquei mais que empolgada. Gosto de livros que nos surpreendem a cada virar de página e que mais que tentemos adivinhar, sempre tem uma coisinha a mais, eu sou bem dedutiva em relação aos livros então quando algum me deixa apreensiva até o fim eu adoro. Vai subir pro início da fila.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que maravilha Tamara, o livro me prendeu muito bem e realmente não revelou quem era o verdadeiro suspeito do crime, eu só ficava achando que era uma pessoa e de repente tuuudo mudava!

      Beijos

      Excluir
  2. Oi Carla!
    Primeira resenha que leio desse livro, e fico feliz que tenha sido a sua, pois você me deixou muito curiosa, a história parece ser muito envolvente e cheia de mistérios, eu li Mentirosos também e fiquei igual a você rs' gosto de livros que nos deixam assim loucas e independente do tamanho levamos para todos os lugares. Já estou colocando na lista de desejados, e quero muito conferir esse ano ainda. Adorei a resenha, parabéns!

    Beijos!
    http://blogdatahis.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Tahis! Espero que leia e ame como eu haha
      Beijos

      Excluir
  3. Oi Carla, já vi muitas fotos deste livro, mas ainda não havia lido nenhuma resenha. Menina Mentirosos acabou comigo, mas foi o melhor livro que li este ano. Ainda não me recuperei rsrs.
    Fiquei bem curiosa com este livro e já vou anotar a dica.
    Beijos
    www.estilo-gisele.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mentirosos é maravilhoso mesmo haha
      Obrigada pelo comentário <3
      Beijos

      Excluir
  4. Menina, que resenha empolgante! Dá vontade de sair daqui e ir correndo comprar o livro :D
    Vi outras resenhas positivas dele, então isso tudo já me deixa confiante para adicioná-lo às leituras futuras!

    Beijos,

    Algumas Observações

    ResponderExcluir

 
Todos os direitos reservados © - Tecnologia do Blogger Layout e desenvolvimento por Carla Vieira · Ilustração por Laura Melo